• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

CUT Paraná reforça importância das medidas de isolamento

Papel dos prefeitos e governadores será essencial no combate à Covid-19 dada a postura de Jair Bolsonaro

Publicado: 30 Março, 2020 - 16h43

Escrito por: CUT Paraná

Freepik
notice

A CUT Paraná manifesta seu irrestrito apoio às medidas de isolamento adotadas pelos chefes do poder executivo municipal e estadual que estão tomando medidas de isolamento social. Esse é o caminho apontado por especialistas na área de saúde pública, epidemiologistas, infectologistas e autoridades sanitárias de todo o mundo. A experiência internacional, medindo o impacto da pandemia da Covid-19, indica que tais ações mesmo que amargas, são necessárias para evitar um verdadeiro desastre.

 

Recentemente um estudo publicado pela Imperial College de Londres, organização científica que realizou os estudos que fizeram o Reino Unido recuar na sua postura de isolamento vertical, aponta que o Brasil no pior dos cenários, caso medidas de isolamento não sejam tomadas de forma adequada, pode chegar até 1.1 milhão de mortes. No melhor dos cenários, com bloqueio social e testes em massa, o número de óbitos seria de 44 mil mortos. A redução da mortalidade em ambos os cenários é de 95% com uma áreas intermediárias entre eles. O estudo é assinado por quase 50 cientistas, incluindo especialistas ligados à Organização Mundial da Saúde.

 

Desta forma, não há como negar a gravidade da pandemia para o Brasil e o potencial de causar um cataclismo humanitário, sem precedentes na história do nosso País. Dada a postura de Jair Bolsonaro frente à crise, contrariando desde as orientações dos seus assessores da área da saúde, passando pelo ministro da área, até organismos internacionais, caberá aos prefeitos e governadores assumirem as rédeas das medidas de proteção da população.

 

Mas não apenas isso. É preciso que os chefes locais do poder executivo mobilizem suas bases parlamentares para forçarem, juntos, o Governo Federal a adotar medidas sensatas baseadas nas indicações dos técnicos da área e dos organismos federais. Caso não haja, de imediato, uma reversão na postura de Jair Bolsonaro e seu núcleo mais próximo, iniciar um processo de afastamento da Presidência da República para manutenção de vidas e da ordem econômica em todo o território brasileiro. 

 

É imperativo também o desenvolvimento de medidas de proteção social para a grande massa de trabalhadores informais, bem como, a proteção do emprego dos trabalhadores e trabalhadoras de carteira assinada. É preciso dar celeridade para medidas que, mesmo sendo consideradas insuficientes no plano econômico, não saíram do papel. Projetos para populações específicas pedem a mesma urgência, como dos trabalhadores e trabalhadores da agricultura familiar, população em áreas sem serviço de saneamento básico e pessoas em situação de rua. Cada dia vale muito e cada ação que deixa de ser tomada poderá custar a vida de milhares de pessoas.

 

Assim, a Centra Única dos Trabalhadores e das Trabalhadores do Paraná reiteira seu apoio às medidas de restrição do convívio social como um duro e amargo remédio, porém necessário.No Brasil o desgoverno de Bolsonaro, apoiado por alguns empresários, coloca o País em risco. Os prefeitos e governadores têm não apenas o direito, como a obrigação de intervir e salvaguardar a classe trabalhadora dos riscos do novo corona vírus e também de uma parcela do empresariado que tenta forçar, a qualquer custo, o fim do isolamento social. O Ministério Público e a justiça, por sua vez, precisam impedir tais ações e punir quem deseje formar aglomerações de massa que vão na contramão das ações de isolamento social, que em todo o mundo se mostram as mais efetivas no combate à Covid-19. 

Fique em casa!