• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Audiência pública reforça a importância do piso salarial nacional da enfermagem

Lideranças políticas e do mundo do trabalho estão comprometidas com PL que prevê a iniciativa

Publicado: 14 Maio, 2021 - 09h12 | Última modificação: 17 Maio, 2021 - 12h16

Escrito por: CUT-PR com informações da ALEP

Reprodução / Zoom / Alep
notice

Em meio às comoções e salvas de palmas das janelas e varandas para os profissionais de saúde, no meio da pandemia de Covid-19, o cotidiano destes trabalhadores e trabalhadores esconde uma dura realidade: salários baixos e muitas vezes condições extremamente adversas de trabalho. Enquanto isso, tramita no Congresso Nacional o PL 2564/202 que deseja mudar, ao menos, parte desta realidade implantando um piso nacional para a enfermagem. 

 

Com base neste cenário, uma audiência pública remota foi realizada pela Assembleia Legislativa do Paraná, por meio da iniciativa de deputados liderados pelo Professor Lemos (PT), para debater a situação da categoria e a proposta que tramita no Congresso Nacional. Durante o encontro virtual foi anunciado que um requerimento de apoio, assinado pelos 54 deputados estaduais do Paraná, será encaminhado ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

 

O presidente da CUT Paraná, Marcio Kieller, participou da audiência pública e ressaltou a natureza do trabalho da categoria. “Não existe profissão mais altruísta que o da enfermagem. Mas, muitas vezes, os trabalhadores precisam ter de dois a três empregos para sobreviver.  Várias entidades assinaram um pedido aos senadores, para que apoiem esse projeto, porque a aprovação significa mais que o reconhecimento da categoria, mas a garantia de vida à população”, enfatizou. 

 

A presidenta do Sindesc, Isabel Cristina Gonçalves, que também é da direção nacional da central, reforçou que a qualidade no ambiente de trabalho e boa remuneração são fundamentais para a categoria, mas que os reflexos também são sentidos por toda a sociedade. “Não pedimos somente horas e salários justos e EPIs adequados, mas resistência para o trabalho. Por isso, a importância das 30 horas. Não ganham apenas os profissionais, mas a sociedade. Um trabalhador descansado, vai oferecer um serviço de mais qualidade para o paciente”, apontou. 

 

Presidente da Federação dos Sindicatos dos Servidores Municipais CUTistas do Paraná, , Antonio Carlos, o Bananinha, reforçou a organização dos trabalhadores e trabalhadoras em levar esse projeto para a pauta nacional. Segundo ele, diversas audiências semelhantes acontecem pelo todo o Brasil e esta é uma forma de luta em meio à pandemia de Covid-19. “Nós temos cobrado dos nossos sindicatos, com a nossa Confederação Nacional dos Trabalhadores do serviço público e audiências públicas acontecem por todo o Brasil. Somente com a nossa luta vamos conseguir aprovar esse PL. É preciso que nossa voz seja ouvida”, garantiu. 

 

O projeto – O PL vale tanto para servidores públicos quanto privados da área da enfermagem e estabelece um piso salarial nacional com carga horária, específica, de 30 horas semanais. A previsão é de um salário mensal de R$ 7.3 mil para enfermeiros, técnicos receberão valor 70% inferior e auxiliares de enfermagem e parteiros, 50% do valor. 

 

Confira como foi a audiência pública no vídeo abaixo: