• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

CUT Paraná se solidariza com presidenta do SISMUP Paiçandu

Lilian Mozer registrou boletim de ocorrência após ameaça ao sindicato

Publicado: 22 Fevereiro, 2021 - 11h16

Escrito por: CUT-PR

Reprodução / Facebook
notice

A presidenta do Sindicato dos Servidores Públicos de Paiçandu (SISMUP) , Lilian Mozer, registrou nesta sexta-feira (19) um Boletim de Ocorrência. A situação acontece após a Prefeitura realizar uma licitação para a compra de pneus. Um vereador da cidade, chamado Carlos Martins, fazia uma live em uma rede social comentando a situação. Lilian, então, fez um comentário cobrando a compra de uniformes para os funcionários e funcionárias do hospital, luta que já se estende nos últimos anos. No dia seguinte, a sede do sindicato amanheceu com um pneu em frente ao portão, como um recado para a dirigente sindical. 

“Estamos fazendo o nosso trabalho que é lutar pela defesa dos funcionários públicos do nosso município. Foi uma surpresa desagradável. O B.O está registrado e agora cabe à polícia investigar”, explica a presidente Lilian Mozer. De acordo com ela, a luta pelos uniformes dos trabalhadores do hospital já longa. “Não é justo que tenham que trabalhar com suas próprias roupas e levar para casa para lavar, sobretudo em um ambiente insalubre e que pode colocar em risco a saúde dos funcionários e também dos seus familiares, ainda mais em tempos de coronavírus”, explicou Lilian, que assegurou que seguirá na luta para fazer cumprir os direitos da categoria. “Assim como estamos brigando pela segurança dos profissionais da educação e constantemente por todos os funcionários públicos por melhores salários e condições de trabalho”, completou. 

Lilian também garante que o sindicato não aceitará ameaças. Sem imaginar quem possa ter feito esta ação, a presidente do SISMUP diz que seguirá com o trabalho e luta na defesa dos servidores públicos. “Agora caberá a polícia elucidar quem é o responsável. Nós seguiremos fazendo o que sempre fizemos: lutando pelos interesses dos servidores e, consequentemente, da população que é quem utiliza os serviços públicos”, garantiu. 

A CUT Paraná se solidariza à dirigente e cobra das autoridades policiais uma investigação séria e célere.