• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

FESSMUC solicita vacina para educadores de Maringá para retorno seguro das aulas

A Federação dos Sindicados dos Servidores Municipais Cutistas do Paraná protocolou o ofício terça, dia 12.

Publicado: 13 Janeiro, 2021 - 10h35 | Última modificação: 13 Janeiro, 2021 - 11h35

Escrito por: CUT PR

Valter Baptistoni/Divulgação
notice
Iraídes Baptistoni do FESSMUC com o chefe de Gabinete, Domingos Trevisan.

No dia de ontem, 12, a Federação dos Servidores Municipais CUTistas (FESSMUC) protocolou um ofício solicitando ao prefeito de Maringá, que os educadores do município sejam vacinados antes do retorno das aulas para que ocorresse "o retorno às aulas presenciais de forma segura e efetiva", conforme o documento protocolado.

De acordo com o blog de notícias, café com jornalista, a secretária de Finanças da Fessmuc, Iraídes Baptistoni, reuniu-se com o chefe de Gabinete, Domingos Trevisan, para tratar do assunto. Uma cópia do documento também foi entregue à Secretaria de Educação de Maringá (Seduc). No entendimento da federação, os profissionais da educação devem ser incluídos no grupo prioritário na campanha de imunização, ao lado dos servidores da saúde. (http://www.cafecomjornalista.com/2021/01/fessmuc-pede-vacinacao-antes-volta-aulas-maringa.html).


De acordo com a diretoria de comunicação da prefeitura municipal de Maringá, o retorno das aulas estarão condicionadas a evolução da pandemia. De acordo com o site da prefeitura, ainda não está formalizado um protocolo de retorno, pois depende ainda de entendimentos a setores ligados a educação, para depois a secretaria de saúde do município avaliar. De concreto são o cumprimento rigoroso de regras de prevenção, como medição de temperatura na entrada das escolas, uso obrigatório de máscara, distanciamento social e intenso uso de álcool para higienização. A capacidade da sala de aula será de no máximo 50% da ocupação normal.


No documento protocolado, Iraídes afima que "não há meios de retorno de qualquer atividade presencial, mesmo que parcialmente e de forma gradativa, sem que todos os profissionais da educação estejam completamente imunes ao covid-19". A precupação da Federação é compreendida quando analisamos o último boletim de casos do COVID-19 no município, onde nas últimas 24 horas foi confirmado 350 novos casos do coronavirus, sendo 184 mulheres, 158 homens e 8 crianças com mais de 17 mil casos em acompanhamento.

Para o presidente da CUT, Márcio Kieller, “a ação dos sindicatos durante a pandemia está sendo essencial para a garantia de vida de milhares de pessoas. Mesmo com a pressão de setores econômicos para o retorno as atividades normais, os sindicatos têm atuado de maneira incessante na defesa da vida”. Ainda sobre o tema, o presidente da CUT espera bom senso das autoridades para o retorno das aulas. “É essencial que as autoridades vislumbrem como primeiro grande passo, para conter o avanço da pandemia e preservar vidas, a vacina. É necessário também que prefeitos e câmaras legislativas de todos os municípios cobrem celeridade e responsabilidade do governador e do governo federal. Essa vacina deverá ser para todos e todas”, completa Kieller.